The KLF — Chill Out

        Gosto do facto de este álbum poder ser descrito sucintamente: é um álbum conceptual de house ambiente, cujo conceito é uma viagem de carro do Texas ao Luisiana, feito por dois londrinos que nunca tinham estado no Sul estado-unidense.
        Quanto à música em si, há sintetizadores a tocar acordes que parecem eternizar-se mas que fazem pitch bends subtis, pequenas melodias repetidas (como o lá-ré da segunda metade do álbum) que surgem periodicamente nas faixas mais longas; mas o papel da música é, mais do que proporcionar a viagem emocional que os KLF pretenderam representar, enquadrar a verdadeira substância do álbum: as samples.
    Chill Out é um tapete persa de retalhos: uma construção soberba a partir das samples, que criam uma imagem vívida, impressionista, da cor local, com transportes (campainhas de passagens de nível, comboios a passar, carros), natureza (cães, ovelhas, grilos, aves), comunicação (emissões de rádio avulsas: notícias, vendas por telefone, publicidade a um casino, um exaltadíssimo pregador negro), música (pedal steel guitar, o Elvis, os Fletwood Mac, cantores Tuva (!?)), e músicas de trabalhos anteriores dos KLF (memórias duma vida passada?). Estas últimas, ouvidas por si, descontextualizadas do ambiente deste álbum, soam-me apenas a house londrina suada do final dos anos 80, quando a cocaína ainda era o adjuvante de disfrute noturno preferencial, e acho-as datadas e pouco interessantes; é como parte da evocação aqui efetuada que se tornam sublimes.
    Este continua a ser um álbum noturno, mas que rejeita o ambiente sonora e fisicamente claustrofóbico duma discoteca. Os KLF fizeram um álbum de espaços abertos, onde o som nunca está comprimido ao máximo, como é costume na música eletrónica, que pretende ocupar toda a atenção do ouvinte, e há sempre espaço para ele respirar e permanecer, para se perceber tudo o que está presente ou não; fizeram um álbum sereno em vez de frenético, como o título indica, e, pelos nomes das músicas, explicitamente (e continuamente, porque não há pausas definidas entre elas, apesar de ser facilmente definível o fim de cada uma e o início da seguinte) narrativo. De certa forma — e aqui as pessoas de estudos culturais poderiam refletir à vontade — o seu apelo principal faz-se das suas referências externas e da maneira como as enquadra e processa, duma evocação em geral evidente do mundo real: ou seja, não é um objeto artístico cujo centro de referência esteja em si próprio, o que não deixa de ser invulgar na música.
        Chill Out é, por isso, um objeto único. Foi gravado em direto, com todas as notas e samples a terem de ser inseridas no momento. Há muita música que utiliza samples de forma semelhante a esta, mas para criar sensações ou sentimentos, nunca com este poder de construção e evocação da realidade (os The Orb são psicadélicos; os Godspeed You! Black Emperor pós-apocalípticos; os The Books ecléticos). Não é chill out como hoje entendemos a expressão, música de fundo estéril e anódina para gente sofisticada.
        Aqui, os KLF querem imergir-nos na realidade, não alhear-nos dela: os nomes das faixas referem-se a momentos na viagem representada: cidades ultrapassadas (Pulling Out of Ricardo and the Dusk is Falling Fast; 3 a.m. Somewhere out of Beaumont), referências ao que vai surgindo na rádio (Elvis on the Radio, Steel Guitar in my Soul; Rock Radio into the Nineties and Beyond), ou ocorrências triviais (Six Hours to Louisiana, Black Coffee Going Cold). Sentimo-nos imersos num Sul americano ideado, rural, pacato, pastoral; sentimos a estrada a viajar por debaixo de nós, monótona, enquanto apuramos o ouvido para detetar sinais de vida, quer eles nos venham da natureza, da rádio, da tecnologia que se move à nossa volta. Sentimo-nos pequenos face ao mundo; temos os olhos a fecharem-se e memórias passadas a invadir-nos. Quando esta noite acaba (Alone Again with the Dawn Coming Up), repetem-se os dois acordes que ouvimos ao princípio e que emolduram esta viagem. De certa forma, estamos no mesmo sítio, mas ficar-nos-á a noite que acabou.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s